terça-feira, 27 de junho de 2017

Ainda não consegui compreender...

... se a conta do twitter do Gustavo Santos é real ou aquilo é uma página de gozo.

Pequena questão

Preciso da vossa ajuda para dar por terminada uma pequena dúvida existencial. Nas vossas habitações, têm algum interruptor no quarto, perto da cama, que vos permita apagar a luz "do teto" ou esse interruptor encontra-se somente à entrada do quarto, junto da porta?

O meu namorado, tanto na casa dele como na dos avós, sempre teve um interruptor junto da cama para apagar a luz do quarto. Dá um jeito imenso porque pode ir para a cama com a luz acesa e depois apagar diretamente debaixo dos lençóis, quando assim desejar. Acaba-se aquele desconforto de ter que se levantar da cama porque se esqueceu de desligar a luz. Já na minha casa, temos interruptor junto à porta de entrada do quarto, dificultando a hora de deitar e apagar a luz. Quantas e quantas vezes tive que me levantar, depois de já estar bem quentinha na cama, porque me esqueci de desligar a luz... Isto na minha casa, na da minha avó, em todas as casas de todos os meus tios e, a bem da verdade, em todas as casas por onde já passei. A minha casa de estudante não tinha interruptor junto à cama, nem a casa das minhas amigas tem e nem mesmo as casas mais modernas onde já estive têm essa opção.

Ele acha que esta opção deveria ser standard, que toda a gente deveria ter um interruptor junto da cama (e eu também!) e nunca se tinha apercebido que, para a maioria das pessoas, não há cá essas mordomias. Só se apercebeu que é um privilegiado desta vida quando começou a ver outras casas e a conhecer a triste realidade da maioria de nós, comuns mortais que não nascemos com rabinhos virados para a lua. 

Digam de vossa justiça: têm ou não esta "funcionalidade" junto das vossas cabeceiras? 

segunda-feira, 26 de junho de 2017

Factos da vida


E eu dizia-lhe "Sou assim tão enfadonha que mal chegas aqui adormeces logo?". Encontramos a explicação. E é por isso que eu adormecia de tarde a ver filmes, eu que nunca consigo dormir sem ser à noite. Estar deitado ao lado de quem amamos dá-nos aquela segurança boa de que não há outro sítio onde queremos estar e que o mundo pode acabar que ficamos bem.
E é por isto que não temos visto séries à noite ou deitado lado a lado na cama a conversar. É que depois de acordar cedo e de um dia de trabalho, deitar ao lado da pessoa que amamos vai-nos fazer dormir que é um tirinho! Antes achava que estamos uns velhos, a adormecer às 22h. Agora já sei que estamos só muito apaixonados e cansados! :) 

amor próprio e autocuidado

Quando não saio e me deixo estar muito tempo seguido com "roupa de andar por casa", sinto-me um farrapo. É tudo muito confortável e claro que continuo a tomar banho e a mudar de roupa, mas não tendo aquela preocupação de "vestir bem" para sair, as roupas acabam por ser o mais descontraídas possível e muitas vezes nem ligo ao facto de combinarem entre si ou não. Aquele ar de desleixo, de quem prende o cabelo num messy bun e anda de cara lavada, sem brincos, de chinelos ou descalça, de calções e tshirt ou de pijama, é muito giro um dia ou dois mas, se o faço vários dias seguidos, a minha autoestima desce consideravelmente.  Faz com que me sinta sempre muito mais feia e gorda. Não sei, são pancas. Ao fim de uns dias já a minha autoimagem está a arrastar pela lama, começo a pensar imenso na minha forma física, sinto-me um bicho do mato. Não é que eu aos outros dias ande vestida como uma princesa ou qualquer fashionista desta vida, mas tenho sempre um ar mais compostinho. Só o facto de colocar brincos e arranjar o cabelo, já me faz sentir outra! 

sábado, 24 de junho de 2017

sexta-feira, 23 de junho de 2017

Estou a precisar de sandálias...



Difícil é escolher!

O meu problema com planos e projetos

Tenho um problema que me dificulta a vida, assim no geral. Basicamente, sou ansiosa. Preciso que as coisas aconteçam agora ou, de preferência, ontem. Adoro fazer planos, mas depois sinto-me angustiada por ter que esperar que se concretizem. Queria que os meus planos se começassem a cumprir na hora em que os defino. Não tenho paciência para nada, sou ansiosa, quero as coisas na hora, não consigo esperar sem fazer nada. Aquela coisa do "deixa acontecer" não é para mim. Eu já tentei! Aliás, eu tento todos os dias pensar que o que tiver que ser, será, que não vale a pena fazer planos, que a vida resolve-se sozinha e mimimi... Mas não consigo! Eu tenho que fazer planos e tenho que desesperar por eles, até que se concretizem. É mais forte do que eu. 

Quando meto uma ideia na cabeça, penso obsessivamente nessa ideia até à exaustão. Tenho momentos de pura felicidade só de imaginar as coisas a acontecerem e depois momentos de angústia por pensar que essas mesmas coisas podem não acontecer. Porque sim, de criar expetativas que depois saem goradas, sou eu especialista. A vida tem-me pregado algumas partidas para eu aprender a não ser precipitada, a não me entusiasmar demasiado. É inevitável o medo de não conseguirmos cumprir os nossos objetivos tal como os planeamos. Ainda para mais no meu caso, controladora que sou, que quero que tudo corra exatamente como imaginei. É muito fácil que as coisas não sejam tal e qual as imaginamos e acabo por ficar frustrada, triste, desesperada, enfim. 

Podem imagina o sufoco em que vivo, em constante entusiasmo, ansiedade e medo que as coisas corram mal. É esta a minha vida.

quinta-feira, 22 de junho de 2017

Dilemas da vida adulta

Preciso de comprar umas sandálias rasas, calças e blusas frescas, mas também preciso muito de poupar dinheirinho. Ando aqui como o tolinho na ponte, nem sei que lado hei-de ouvir, se a razão ou a vontade consumista. Por via das dúvidas, deixo-me é ficar por casa e longe das lojas online.