segunda-feira, 11 de dezembro de 2017

Este temporal...

Detesto este tempo. Bem sei que é preciso chuva e tal, mas isto é um temporal. Ontem havia coisas a voar pelo ar, falhou a luz em alguns sítios, só se viam folhas e ramos de árvores caídos na estrada... Aqui em frente à minha casa caiu um poste de identificação das estradas e por baixo da minha casa, uma das lojas ficou sem montra porque a pressão do vento partiu todos os vidros. O barulho do vento assusta-me e detesto trovoada quando estou sozinha. E só penso nas pessoas que têm que sair de casa para trabalhar, para deixar os filhos na escola/ir para a escola. É perigoso andar na estrada com este tempo. Abençoado trabalho que faço em casa, em dias como hoje dou ainda mais valor à sorte que tenho. Agora estou aqui cheia de medo que falte a luz, senão nem trabalhar posso e tenho tantas coisas para fazer! Enfim, espero que o tempo melhore rapidamente.

sábado, 9 de dezembro de 2017

sexta-feira, 8 de dezembro de 2017

Aqueles dias...

Não sei explicar a sensação boa que me atinge quando existem estes fins de semana de três dias, mas não tem mal porque de certeza que vocês conhecem muito bem esta sensação. Nossa, que bom que é acabar a semana de trabalho um dia antes e poder fazer coisas que gostamos durante três dias seguidos, sem preocupações profissionais. A minha semana de trabalho até foi mais tranquila do que as semanas anteriores dos últimos meses, mas ainda assim sabe tão bem parar. 

São estas horas e eu ainda estou na cama, quentinha, a ver os meus youtubers e a ler blogs. Vida boa! Estou a planear um banho quentinho e, de seguida, arranjar cabelo e unhas. Tenho passado tanto tempo em casa e de roupas de andar por casa que só me apetece sair tipo árvore de Natal, com tudo a que tenho direito! Também vos acontece? Se eu passar muitos dias sem me arranjar muito, vai haver uma altura em que me vai apetecer sair vestida para arrasar, cheia de maquilhagem e acessórios e bujigangas várias. Louca, I know, mas enfim, é isto que temos para hoje. E vou-me arranjar para quê, se nem tenho planos para sair de casa? Não sei, mas vou! Preciso de um daqueles dias de vaidade máxima, que também sou gaja e gosto destas coisas. Quem nunca se arranjou imenso para acabar no sofá, não é mesmo? Vou mas é tirar o rabinho da cama e começar a produção, lol :) 
Bom feriado e bom fim de semana!

quarta-feira, 6 de dezembro de 2017

Sugestões de prendas para eles


Nunca é fácil oferecer prendas a homens, na minha opinião. É tudo muito mais sem graça do que para mulheres, normalmente eles gostam de coisas mais na área das tecnologias (e que são logo coisas caras) e não dá para comprar só "uma lembracinha", o que dificulta ainda mais na hora de comprar. Torna-se pior quando eles não colaboram e não dizem o que querem, brindando-nos com um "não preciso de nada", "não quero nada", "tanto faz". Ai homens, homens, o que fazer, não é? 

Apesar de o passar dos anos nos deixar menos opções pois não queremos repetir, a mim tem ajudado pois conheço cada vez melhor o homem e sei do que ele gosta e do que ele precisa. E deixei-me de tretas tipo "oh, mas isso é pouco", "oh, mas isso ele já tem", "oh, mas não é esquisito dar isso no Natal?". Não, não é. Compro muitas vezes coisas que eu sei que ele precisa sem ligar se é uma prenda adequada ao Natal ou whatever. Este ano já tenho a prenda dele comprada desde Outubro, mas deixo algumas sugestões para quem ainda anda às aranhas...

Dos homens que eu conheço, qualquer um deles gostaria de receber gadgets, jogos de computador/playstation, camisolas dos respetivos clubes, roupas e relógios. Acrescentaria a estas sugestões DVDs (ainda há quem colecione DVDs de filmes e séries), coffrets com cenas de barbear (para os que ainda fazem a barba), perfumes, aqueles estojos cheios de produtos de cuidados de barba para os que adotaram a moda da barbinha (adoro!), livros e funkos para os aficionados. É uma questão de conhecerem bem os homens na vossa vida e perceberem o que é que os deixaria felizes, mas uma pequena ajuda calha sempre bem :)

Vocês já compraram prendas para os vossos homens? O que compraram? Deixem mais ideias nos comentários :)




terça-feira, 5 de dezembro de 2017

Diferentes noções de urgência

Não sei se já vos aconteceu, mas a mim acontece imensas vezes, principalmente no trabalho, com clientes. As pessoas ligam cheias de pressa, com uma urgência louca para que as contactemos por algum motivo. Estão no direito delas, óbvio. O problema é que ligamos logo de seguida e não atendem! Aconteceu recentemente com um cliente. Na terça ligou para o escritório, passaram-me o caso com os contactos e eu liguei. Não atenderam, classifiquei para ligar de novo na quinta já que quarta era impossível. Na quinta de manhã ligaram de novo para o escritório a dizer que tinham mesmo muita urgência no contacto, para saber se seria possível alguém ligar ainda naquele dia. Liguei três vezes seguidas, não atenderam. Deixei passar umas horas, voltei a ligar mais duas vezes e nada. Não sei que urgência é esta que faz as pessoas ligarem mas nunca atenderem!

O mesmo acontece, por exemplo, com os meus pais. Ligam várias vezes, eu não vejo. Da próxima vez que toca, lá me apercebo das chamadas mas não vou a tempo de atender. Ligo no segundo a seguir, já não atendem. Não compreendo, juro. Se é importante a ponto de ligarem várias vezes, de insistirem para que alguém os contacte por uma questão específica que só nós podemos resolver, como é que depois nunca atendem para podermos dar seguimento? É tudo muito urgente só na hora de pedir, depois quando é para colaborar já não há pressa. 

segunda-feira, 4 de dezembro de 2017

M., a introspetiva

Uns mais do que outros, é certo, mas todos temos predileção por coisas dentro da nossa zona de conforto. É mais fácil, é mais simples, dá-nos sensações de bem estar. É normal e a tendência humana é mesmo procurar a zona de conforto. Embora exista muita gente que adora aventuras e coisas novas, todos temos um lado que pende para a zona de conforto, é inevitável. Cabe-nos saber equilibrar essa tendência e até mesmo contrariá-la quando assim é necessário. 

Eu sou daquelas pessoas que aposta sempre em escolhas seguras. Não gosto de experimentar comidas novas ou esquisitas. Quando vou a algum restaurante peço, regra geral, o mesmo de sempre. Não arrisco muito na minha vida pessoal. Mudanças drásticas não são para mim. O meu cabelo tem quase sempre o mesmo cumprimento, uso há anos o mesmo estilo de roupa, até o namorado e grupo de amigos se mantém intacto há anos :p Não gosto de me expor ao risco, até porque sou muito ansiosa e penso sempre nas coisas que podem correr mal. Enfim, tudo isto para dizer que sou o exemplo de pessoa que vive na zona de conforto. Ou era, até ter entrado nesta empresa.

Todos os dias me levanto e vou trabalhar numa área completamente diferente de tudo aquilo que estudei ou que me interessa. Nunca na vida imaginei trabalhar numa coisa assim, muito menos estar constantemente exposta aos nãos (eu, que odeio ouvir não!), às inseguranças, às incertezas. Todos os dias me sinto uma fraude por falar daquilo que (ainda) não sei verdadeiramente. Todos os dias me sinto exposta e posta à prova e tem sido maravilhoso! Nunca pensei dizer isto, mas é verdade. Porque se todos os dias tenho medo e me sinto insegura, todos os dias aprendo e me supero. É uma lição muito grande para mim. Estou a aprender muito, acima de tudo, sobre mim mesma. Nunca pensei que tivesse em mim esta capacidade de me reinventar, de me superar desta forma, de melhorar de dia para dia, sem falsas modéstias. 

É assustador, não minto. Há dias em que penso "para quê?", podia simplesmente deixar-me estar sossegadinha a fazer coisas que sei e pronto. Mas é precisamente fazer coisas fora da zona de conforto que nos desafia e nos faz crescer enquanto pessoas. Isto tem-se mantido na minha mente em várias escolhas que faço no dia a dia. Às vezes, quando estou em dúvida sobre coisas que me desafiam, penso "se eu trabalho com x, eu posso fazer isto!", aplicando a coisas que não tenho certeza se consigo fazer ou tenho medo de fazer. E tem-me apetecido muito mais fazer coisas diferentes, arriscar mais noutras áreas da minha vida também. Dá trabalho contrariar as nossas tendências para a rotina, o conforto, o conhecido, mas tem valido a pena!

sábado, 2 de dezembro de 2017

sexta-feira, 1 de dezembro de 2017

12/12


Chegou ele! Tanto pedi para o ano passar rápido que aqui está ele, o último mês de 2017. Adoro! Nem acredito que já estamos em Dezembro.

Vai ser um mês de muito trabalho, como têm sido os outros, mas é bom sinal. No ano passado, por esta altura, estava sem emprego, por isso fico grata por ter muito trabalho, mesmo que ande mesmo cansada. Vou ter férias, por isso também vai ser um mês de descanso. 
Hoje vou fazer as compras de Natal. A casa já está decorada. Agora estou ansiosa por embrulhar tudo, fazer umas coisinhas personalizadas e fazer bolachinhas! Mas isso só faço mais para o dia de Natal mesmo, ainda há tempo. E, enfim, é isto. Espero que Dezembro seja um mês feliz, como sempre é.